Dados próprios e dados de terceiros

Tudo que pode ser facilmente terceirizado não é tão diferenciado, pensem nisso. Quem não conseguir otimizar e equacionar seus dados estará morto nos próximos anos.

Eric Santos

Quando falamos de dados mestres precisamos entender a origem destes dados. Com isso, podemos elaborar estratégias para coletar, manipular e armazenar estes dados.

Dados próprios são os dados produzidos pela própria organização. A imensa maioria destes dados são coletados através de digitação em sistemas empresariais, mas o volume de dados não estruturados vem crescendo nas organizações.

Dados externos são dados adquiridos de empresas especializadas ou de sites governamentais. São informações públicas ou privadas de clientes, fornecedores e produtos.

Com o avanço da internet há virtualmente milhões de fontes de dados, algumas confiáveis e outras nem tanto. Geralmente, as informações confiáveis possuem um custo.

Dados de terceiros são os dados alimentados por parceiros de negócios (clientes ou fornecedores). Muitas vezes, captados pelos conhecidos formulários de cadastros de portais empresariais (ex: portal de compras, CRM, e-commerce e etc).

Os dados próprios possuem uma maior confiabilidade e na maioria das vezes estão adaptados para as necessidades empresariais, mas possuem um custo maior de obtenção e de manutenção, com o tempo tendem a ficar desatualizados.

Os dados externos, quando adquiridos de fontes confiáveis, são atualizados e possuem um nível adequado de completude, precisão e acurácia, mas infelizmente podem não estar preparados para os cenários de negócios da adquirente, por exemplo: incompatibilidade de formatos ou tipos.

Os dados de terceiros não são tão confiáveis e é onde ocorre a maior quantidade de fraudes. Nomes falsos, dados incorretos e uma série de atributos, intencionalmente ou não, digitados sem um padrão apropriado. A vantagem dos dados de terceiros é o custo de captação que pode ser bem reduzido, já que depende de esforço de outros que, normalmente, não estão sendo remunerados para a execução do preenchimento.

O leitor atento deve ter percebido que a estratégia de dados vencedora é que consegue unificar os três tipos de dados extraindo o melhor que cada tipo pode oferecer.

Analisando seu processo de negócio, em conjunto com o uso de uma plataforma tecnológica é possível construir um fluxo de trabalho que inicie com a captação de dados externos (via portal de cadastro “Self-Service”) comparando estas informações e enriquecendo com dados de terceiros (background check) e somando com as informações produzidas pela própria empresa.

Com o avanço da tecnologia, a construção dessa ferramental torna-se possível e acessível, inclusive para pequenas empresas.

Bons negócios!

Clique aqui para conhecer a plataforma 4MDG.

Leia também Usando o PDM para alavancar o cadastro de sua empresa.

Faça parte e um dos maiores grupos de especialistas em gestão de cadastros. Clique aqui para entrar em nosso grupo no LinkedIn.

Tags: | | | | | | | | | | | |

Quer conhecer sobre o universo dos dados mestres?

Receba gratuitamente nosso e-book sobre MDM e entre em uma das carreiras mais quente do momento

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

0 Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Este site utiliza Cookies e Tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência. Ao utilizar nosso site você concorda que está de acordo com a nossa Política de Privacidade.
%d blogueiros gostam disto: